domingo, 6 de fevereiro de 2011

Balada de Gisberta

Gisberta
 É com esta canção que Maria Bethânia fecha o primeiro ato de seu show Amor Festa Devoção (guardado em disco de mesmo nome, 2010). Transfigurada em Gisberta (a sem nome, sem sexo: só paixão e queda) a cantora imprime o tom mais que perfeito para marcar a saída de cena: quando perigo e encanto; alerta e convite nos envolvem.
Mas quem é essa Gisberta, fui pesquisar:
Gilberto Salce Júnior, ou melhor, a transsexual brasileira Gilberta foi assassinada na cidade do Porto, em Portugal, em fevereiro de 2006. Antes, durante dois dias, sofreu todo tipo de violência verbal e física, mantida sob cárcere, por um grupo de adolescentes (entre 12 e 16 anos de idade).
A "Balada de Gisberta", de Pedro Abrunhosa, restitui à personagem sua condição humana, destroçada; leva-nos, com tais informações extras, a pensar sobre as políticas públicas de segurança e respeito mútuo e o preconceito com os diferentes.
"Perdi-me do nome, hoje podes chamar-me de tua", diz a Gisberta que fala na canção. Ela é uma legião: carrega na voz a multidão de marginalizados, que servem apenas para dançar em palácios, oferecer-se a mil homens, e logo depois ser descartados.
Urge responder à altura: dialogar e dizer a Gisberta que, acima dos fundamentalismos, ainda vale a pena e é possível sonhar e realizar dias melhores, sem juízos finais. Agora. Pois o céu da felicidade, de cada um e de todos, não pode esperar.



Balada de Gisberta
(Pedro Abrunhosa)

"Perdi-me do nome,
Hoje podes chamar-me de tua,
Dancei em palácios,
Hoje danço na rua.
Vesti-me de sonhos,
Hoje visto as bermas da estrada,
De que serve voltar
Quando se volta p’ró nada.

Eu não sei se um anjo me chama,
Eu não sei dos mil homens na cama
E o céu não pode esperar.
Eu não sei se a noite me leva,
Eu não ouço o meu grito na treva,
E o fim vem-me buscar.

Sambei na avenida,
No escuro fui porta-estandarte,
Apagaram-se as luzes,
É o futuro que parte.
Escrevi o desejo,
Corações que já esqueci,
Com sedas matei
E com ferros morri.

Trouxe pouco,
Levo menos,
E a distância até ao fundo é tão pequena,
No fundo, é tão pequena,
A queda.
E o amor é tão longe,
O amor é tão longe
E a dor é tão perto."


21 comentários:

  1. Amo demais essa música...fiquei apaixonado ao ver Bethânia interpretando essa música no teatro Castro Alves, em Salvador.
    De todas as músicas do álbum Amor, Festa e Devoção; essa é a que mais me envolve...nossa amo demais. Até fiz um post sobre ele, logo que a Bethânia colocou em seu roteiro.

    abraços
    de luz e paz

    ResponderExcluir
  2. Evandro, Mais do que a simples música eu amo "vozes". Eu amo a voz de Maria Bethânia.

    Conheci seu trabalho a partir de Diamante Verdadeiro e hoje tenho alguns CDs´s.

    Abraços meu querido e um Ótimo Domingo!!

    ResponderExcluir
  3. não conhecia a música. Tampouco, é claro, a história dela, o que, não bastassem os versos lindos, torna ainda mais densa a sua beleza.

    Muito bacana mesmo o teu blogue, repleto de literatura e boa música.

    Adoro a canção do Caetano que você postou abaixo, diga-se de passagem.

    ResponderExcluir
  4. Evandro,

    Adoro Bethânia e adorei a música.
    Mas o legal foi conhecer a história ...

    Adorei !


    Bjo e uma Semana Feliz !

    ResponderExcluir
  5. Obrigado por me apresentar a esta música tão linda. A história me deixou triste, mas é a realidade. O mundo preciso evoluir, as pessoas precisam deixar de ser tão limitadas.

    ResponderExcluir
  6. Evandro... Por que não ousei te passar a música que na hora me veio, de Pedro Abrunhosa - Eu não sei quem te perdeu - Aí sim ficaríamos surpresos mesmos... Voce me apresentou generosamente essa música antes mesmo de postar e eu me apaixonei por cada frase. Entro aqui e vejo a história, li apavorada com tamanha intensidade, agora ela se tornou mais intensa...

    E o amor é tão longe... ficou ainda mais forte.
    Que vontade de abraçar voce, que vontade de abraçar Gisberta, que vontade de abraçar Pedro Abrunhosa...
    Pois também acredito em harmonias possíveis, sem juízo final...

    e o amor é tão longe...
    Obrigada, querido.

    ResponderExcluir
  7. Eu já tinha ouvido essa música no último show de Bethânia, mas não tinha parado para analisá-la nem tampouco conhecia a sua história. Comovente! sorte nossa q Bethânia a interpreta lindamente...colocarei agora na minha laylist!

    bjoxxxxxxxxxxxxxxxxxxx querido!

    ResponderExcluir
  8. Evandro

    recebi teu comentário no InterTextual e agradeço.

    Faço apenas uma observação: na verdade, não é a primeira vez que você me visita, você esteve lá recentemente e eu também já estive aqui dando uma olhada em tudo. Estamos, como se diz, flertando. Achei bacana que a Si mencionou você lá e está aqui acima comentando também, ou seja: o mundo é redondo.

    Acho que temos interesses afins, como ressaltei, o interesse por música e literatura, as minhas postagens são multimídia como as tuas.

    Aguardo-o mais vezes por lá.

    Um abraço e até breve.

    ResponderExcluir
  9. Amigo voltei! não resisti a esse post e acho que, com a sua permissão, o postarei no meu blog...fiquei ENCANTADO com a letra dessa canção...

    Depois do meu ultimo comentário, ouvi-a váriaas vezes, fazendo uma análise conteudística das suas palavras...é simplesmente BRILHANTE!

    Parabéns pelo post mais uma vez...e ah! depois me diga se posso por esse post no meu cantinho tá?! bjoxxxxxxxxxxxxxxxx querido!

    ResponderExcluir
  10. Obrigada pela vista, e agradeço também por me apresentar essa musica tão linda, apesar de triste, mas infelizmente não da pra negar que muitas das vezes é uma triste realidade.

    'E o amor é tão longe, o amor é tão longe e a dor é tão perto'.
    Emociona ainda mais por ser cantada por Bethânia.

    Tenha uma linda semana!
    Bjss

    ResponderExcluir
  11. "Ela é uma legião: carrega na voz a multidão de marginalizados, que servem apenas para dançar em palácios, oferecer-se a mil homens, e logo depois ser descartados."

    E num paradoxo, a legião é ataca por uma minoria, lesada, desiludida e niilista... e do niihil, assustados pela grandeza do mundo, se escondem em pequenas cavernas... e passam a ver o mundo também como uma caverna.

    Ando ausente, alguns problemas... mas sempre apareço...

    Abraço

    ResponderExcluir
  12. Olá, Evandro.
    Permita-me invadir aqui seu espaço tão bacana. A Simone me falou dessa postagem e vim conferir e ficar estarrecida como todos.
    A música do Abrunhosa, a quem eu já conhecia alguma coisa, cantada pela Betânia é incrível, ainda que nos remeta a uma história tão triste, vergonhosa...

    Bela postagem.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Maria Bethânia, linda, bela e maravilhosa voz da nossa música. Orgulho maior da nossa MPB. Sou fã de carteirinha. Parabens Evandro pelo maravilhoso post. Um super e grande abraço pra você.

    ResponderExcluir
  14. Que interessante, Evandro. Não sabia dessa história.
    Abraços

    www.ofalcaomaltes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Que belo post!
    Muito interessante sua pesquisa sobre Gisberta, não conhecia a história.
    Pedro Abrunhosa é um dos meus cantores/poetas favoritos de Portugal, e a Bethânia sabe o que é bom...
    Ah, vale lembrar que Pedro Abrunhosa é bem injustiçado, perseguido por uns fanáticos, ou sei lá como denomina-se essas pessoas, que tentam envolvê-lo em fofocas. E, bem fez ele em fazer valer a voz de mais uma vítima.
    Deixo um trechinho de uma música do Pedro Abrunhosa que gosto demais.

    "Momentos"
    [...]
    Pedes-me um momento
    Agarras as palavras
    Escondes-te no tempo
    Porque o tempo tem asas
    Levas a cidade
    Solta me o cabelo
    Perdes-te comigo
    Porque o mundo é o momento
    [...]

    Abraço, curti muito!

    ResponderExcluir
  16. simplismente perfeita essa canção ...

    ' da uma passadinha no meu blog deixei um selinho pra voce (:

    ResponderExcluir
  17. Oi Evandro, um prazer ter encontrato seu blog! Me chamo Simone, sou de Feira de Santana, interior da Bahia. Quero dizer que me arrepiei quando li o que escreveu sobre você, você simplesmente disse tudo o que sinto dentro de mim com poucas palavras. Gostaria de trocar mail com você, pois queria saber se tem os links desses filmes para que eu possa baixar. Meu mail: simsifer@hotmail.com.
    Muito tocante o que escreveu sobre Gisberta. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  18. Nossa muito feliz de ver essa homenagem a minha Tia Gi! :)

    ResponderExcluir
  19. Uma das mais lindas canções cantada por essa diva!

    ResponderExcluir
  20. Essa é a segunda música cantada pela Bethânia que me apaixono e quando vou pesquisar a música é do Pedro Abronhosa. Uma parceria perfeita!

    ResponderExcluir